Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.133,15
    +6.096,36 (+5,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.483,41
    +856,61 (+1,92%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,21
    +3,72 (+4,68%)
     
  • OURO

    1.709,10
    +37,10 (+2,22%)
     
  • BTC-USD

    19.552,18
    +289,61 (+1,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    444,13
    +8,78 (+2,02%)
     
  • S&P500

    3.678,43
    +92,81 (+2,59%)
     
  • DOW JONES

    29.490,89
    +765,38 (+2,66%)
     
  • FTSE

    6.908,76
    +14,95 (+0,22%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.215,79
    +278,58 (+1,07%)
     
  • NASDAQ

    11.312,25
    +276,75 (+2,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0785
    -0,2294 (-4,32%)
     

Dia do Café: preço do produto sobe 62% em um ano

Café é uma verdadeira paixão do brasileiro, mas que está sendo caro manter
Café é uma verdadeira paixão do brasileiro, mas que está sendo caro manter

O cafezinho cotidiano está ficando cada vez mais caro: de acordo com dados do IBRE-FGV, nos últimos doze meses, o pó de café subiu 62,36% no Brasil. E se esse número parece alto, um levantamento realizado pela Stake, plataforma de investimentos no exterior, mostra que no mercado internacional a alta foi ainda maior: os contratos futuros de café arábica negociados na ICE (uma das principais bolsas de valores dos Estados Unidos) sobem 71,12% em dólares. Em reais a alta seria ainda maior, uma vez que a moeda americana sobe mais de 10% no ano.

“Problemas de logística na cadeia global e seca na região sudeste do Brasil, um dos principais produtores do mundo, foram os catalisadores dessa alta vigorosa”, explica Rodrigo Lima, analista de investimentos e editor de conteúdo da Stake.

Os motivos para que o aumento no país não acompanhasse a alta internacional são um pouco mais complexos: “As companhias costumam utilizar os contratos futuros como ‘hedge’, travando uma cotação para garantir estabilidade de preços em períodos futuros e evitar repassar grandes flutuações de preço para os consumidores”, justifica o analista. “Mas se a alta continuar, inevitavelmente isso vai chegar no consumidor final. Eventualmente os hedges vencem e você precisa fazer a rolagem dos contratos”, complementa.

Apesar de elevar os custos do dia a dia, a alta do café foi fonte de oportunidade para alguns investidores: o JO, ETF que investe nos contratos futuros da commodity, subiu 65,6% nos últimos doze meses. “Os custos envolvidos na rolagem dos contratos futuros acaba fazendo com que o ETF não acompanhe 100% o preço do café, mas ele é a forma mais simples de se expôr à commodity”, explica o especialista.

Preço mais alto prejudicou partes do setor

A alta do café também não beneficiou a todos no setor igualmente. As ações da Coffee Holding Company (JVA), caíram 49% nos últimos 12 meses. “Isso ocorre porque ela foca na produção de cafés orgânicos e especiais, onde as margens já são elevadas e, portanto, não conseguem repassar grandes aumentos de preços”, diz Lima.

Já os papéis Starbucks, principal rede de cafeterias dos Estados Unidos e com milhares de lojas no mundo todo, caíram 33% desde maio de 2021. “Ainda que pelo fato do Starbucks ser conhecido no Brasil por praticar preços elevados considerando o mercado local, ele encontra dificuldades para subir preços em um cenário em que o consumo global já se encontra deprimido devido à pandemia da Covid-19. Provavelmente a companhia realiza operações de hedge, porém caso a alta persista e as economias globais não mostrem sinais de recuperação, a empresa pode enfrentar sérias dificuldades”, comenta o especialista.

A expectativa dos principais analistas de mercado é que a recuperação do setor de logística mundial contribua para que não apenas o café como todas as outras commodities possam retornar a preços mais palatáveis. No entanto, se a logística e as chuvas não contribuírem, é possível que a expressão “ouro negro” seja não mais utilizada para se referir ao petróleo, mas sim ao cafezinho de todos os dias.

O Brasil é o maior produtor mundial de café e o segundo mercado consumidor do mundo - atrás apenas dos EUA.