Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.560,83
    +362,83 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,88 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,99
    +0,54 (+0,61%)
     
  • OURO

    1.720,00
    -0,80 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.926,11
    -204,22 (-1,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,11
    -7,01 (-1,51%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,96 (-1,15%)
     
  • FTSE

    6.997,27
    -55,35 (-0,78%)
     
  • HANG SENG

    18.012,15
    -75,85 (-0,42%)
     
  • NIKKEI

    27.311,30
    +190,80 (+0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.500,25
    -41,50 (-0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0960
    -0,0402 (-0,78%)
     

Como sair do vermelho? Especialistas orientam: “Não priorizem pagamento aos bancos”

Bancos elevaram os juros para empréstimos e dívidas
Bancos elevaram os juros para empréstimos e dívidas
  • - Especialistas em Finanças dizem para não priorizar bancos no momento

  • - Para pagar dívidas, os brasileiros já se veem com mais de 50% da renda comprometida;

  • - Pelo menos 3 em 4 famílias estão inadimplentes hoje no Brasil.

Uma pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) revelou um novo recorde no endividamento das famílias brasileiras: o Brasil tem o maior percentual de famílias endividadas desde o início da série histórica, em janeiro de 2010. Para pagar dívidas, os brasileiros já se veem com mais de 50% da renda comprometida. Pelo menos 3 em 4 famílias estão inadimplentes.

O Yahoo Finanças conversou com especialistas e elaborou um passo a passo para auxiliar os endividados. Planejamento financeiro, análise da vida financeira e algumas dicas de ouro estão na lista:

Thiago Martello, educador financeiro e especialista em investimentos, orienta que tipo de boletos são prioridades do endividado. “Se chegou na situação de ter que escolher qual boleto vai pagar, não pague bancos. A não ser que sejam prestações de carro ou casa, porque o credor pode tomar. Já os empréstimos, o cartão de crédito e o cheque especial podem esperar. Apesar de serem os maiores juros cobrados, esse é o tipo de conta que, se o consumidor manter em dia, não ajudará em nada para estabelecer a ordem da vida financeira”, explica.

Assim, é preciso priorizar pagar contas básicas, como água e luz, para se manter uma rotina saudável. “Pagar contas elementares, como telefone e internet”, recomenda. Desta forma, o indivíduo pode se organizar para sair da rotina de crédito.

Caso o devedor não tenha ainda o nome sujo, vale adotar uma nova estratégia. “Abra conta em um banco diferente, deixando estourar a dívida do primeiro banco e depois, com mais possibilidades, volte a negociar. Após 6 meses a 1 ano, na medida em que o banco vai diminuindo esperanças de receber, há propostas para receber apenas o valor da dívida, tirando a camada gigantesca de juros”, finaliza.

Julián Colombo, CEO da N5, empresa de software para indústria financeira, enumerou algumas orientações para quem precisa sair do vermelho. Veja:

1. Liste todos os débitos acumulados até o momento e descubra qual o valor total de sua dívida;

2. Organize todas as suas contas mensais e defina qual valor você consegue arcar mensalmente para pagar as dívidas;

3. Após identificar sua capacidade de pagamento mensal, procure o credor para negociar de acordo com as condições financeiras que estipulou. Por exemplo: Se o valor devido é de R$20 mil e sua capacidade financeira mensal para pagá-la for de R$300, peça uma proposta ao seu credor que contemple este valor;

4. Se tiver dívidas de vários tipos e em vários lugares, tente consolidar em um único lugar, transferindo as dívidas para uma instituição que ofereça melhores condições e custos. Por exemplo, procure um empréstimo com juros menores que das dívidas originais - ao pagar de uma só vez o valor pode diminuir por conta dos juros mensais - e parcele o empréstimo de acordo com o valor identificado ser possível.

5. Enquanto os juros de cartões de créditos podem cobrar em média 29,1% ao mês e as taxas do cheque especial ser em média 7,96% ao mês, as fintechs de crédito conseguem, por meio de tecnologia, realizar uma análise e oferecer taxas mais justas e personalizadas para o perfil de cada cliente, com uma média de 3% a 5% ao mês.

6. Se enxergar que terá problemas para pagar, tente se antecipar e conversar com seu credor. Muitas vezes você pode pedir para mudar as condições do seu empréstimo sem ‘sujar’ seu nome;

7. Passe a controlar seus gastos, anote todos eles em uma planilha e entenda quais os pontos que estão impactando na sua saúde financeira;

8. Evite compras desnecessárias, mesmo que seja parcelada. Não compre nada porque “a parcela é pequena”. 31% das compras que não são feitas por falta de eventual possibilidade, como uma maquininha que não está funcionando, por exemplo, jamais serão feitas depois.