Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,85
    -0,30 (-0,48%)
     
  • OURO

    1.735,80
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    62.937,14
    -351,01 (-0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.368,70
    -7,08 (-0,51%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.939,58
    +49,09 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.711,57
    -189,26 (-0,65%)
     
  • NIKKEI

    29.714,27
    +93,28 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    13.803,75
    +5,00 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7743
    +0,0014 (+0,02%)
     

CNA pede extensão no prazo de zoneamento agrícola para milho safrinha no PR e MT

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) solicitou ao Ministério da Agricultura a prorrogação por dez dias do período de Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) para semeadura do milho segunda safra no Paraná e em Mato Grosso, após atrasos no plantio, disse a entidade nesta sexta-feira.

A CNA justificou que a semeadura tardia da soja na primeira safra e as chuvas em fevereiro levaram a um atraso significativo do plantio do milho safrinha.

Com base em dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a CNA afirmou que apenas 20% da área de milho foi semeada até a semana passada, enquanto os prazos indicados pelo zoneamento agrícola haviam se encerrado.

"A semeadura posterior à indicação do Zarc traz consequências para os produtores, que perdem o direito à subvenção do seguro rural e à indenização no caso de perdas de produção, além da cobertura do Proagro", disse em nota o presidente da Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da CNA, Ricardo Arioli.

De acordo com a Conab, há apenas 7,3 milhões de toneladas de milho em estoque, o menor volume dos últimos quatro anos, ressaltou a confederação. Ao mesmo tempo, somente o consumo interno deverá crescer mais de 5% em 2021.

Diante deste cenário, Arioli disse que pretende contar com o apoio da Secretaria de Política Agrícola do ministério para a prorrogação.

(Por Nayara Figueiredo)