Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.073,55
    -1.356,99 (-1,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.018,91
    +454,64 (+0,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,80
    +0,39 (+0,51%)
     
  • OURO

    1.968,80
    +26,00 (+1,34%)
     
  • BTC-USD

    23.740,49
    +622,13 (+2,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    538,70
    +296,03 (+121,98%)
     
  • S&P500

    4.119,21
    +42,61 (+1,05%)
     
  • DOW JONES

    34.092,96
    +6,92 (+0,02%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    -10,59 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.538,00
    +123,75 (+1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5544
    +0,0388 (+0,70%)
     

Carro popular pode ficar R$ 11 mil mais caro com alta nos juros

A 11ª elevação seguida da taxa Selic alterou de 1,34% para 2,03% a taxa mensal para carros
A 11ª elevação seguida da taxa Selic alterou de 1,34% para 2,03% a taxa mensal para carros (Getty Image)
  • Financiamento do carro popular ficou mais caro com alta na taxa de juros

  • Movimentação da Selic é usada como estratégia para conter a inflação

  • Cartão de crédito e cheque especial também sentiram os efeitos da elevação

Já cada vez mais difícil ter um carro no Brasil. Além do aumento constante nos preços dos combustíveis, a escalada das taxas de juros também dificultam a vida de quem pretende financiar um automóvel.

Um cálculo realizado a partir das s projeções da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças), mostra que os motoristas que panejam comprar o veiculo popular em 2022 vão precisar desembolsar R$ 11 mil a mais do que há um ano e meio para quitar a compra.

Isso porque a 11ª elevação seguida da taxa Selic alterou de 1,34% para 2,03% a taxa mensal de juros para financiar um carro.

Ou seja, um veículo de R$ 40 mil em 60 prestações passou a custar R$ 69.545,53. Em março do ano passado, o valor era de R$ 58.465,40. Essa variação é sentida nas parcelas R$ 184,67 mais caras, que passaram de R$ 974,42 para R$ 1.159,09.

Outras modalidades de crédito foram afetadas

O mercado financeiro utiliza a taxa básica de juros da economia como ferramenta política para conter a inflação. Com o encarecimento do crédito, os consumidores consomem menos, o que reflete em bons números para o governo.

Não é só o financiamento que ficou mais caro. A Selic também afeta o rotativo do cartão, fazendo com que as pessoas paguem uma taxa de 13,83% ao mês. Já no cheque especial, os consumidores que utilizam o recurso de R$ 1.000 por 20 dias chegam a pagar R$ 53,20 (7,94% ao mês) pelo empréstimo.