Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.316,40
    +856,30 (+1,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Céleres vê produção recorde de soja do Brasil em quase 136 mi t

·1 minuto de leitura
Grãos de soja e milho fotografados em Buda, Illinois (EUA)

SÃO PAULO (Reuters) - A produção de soja do Brasil deverá atingir um recorde de 135,9 milhões de toneladas em 2020/21, o que seria um crescimento de 7,3% ante a temporada passada, apesar de adversidades climáticas, informou a Céleres nesta terça-feira.

O volume representa um aumento na comparação com projeção divulgada em fevereiro pela consultoria, de 132,6 milhões de toneladas.

O recorde deverá ocorrer apesar de uma queda na produtividade média em Mato Grosso de quase 4% ante a temporada passada, com o maior produtor brasileiro da oleaginosa produzindo 36,1 milhões de toneladas, graças a um crescimento de 4,3% na área plantada.

Outros Estados como Mato Grosso do Sul, Paraná, Bahia, Maranhão também terão produtividade abaixo da vista no ano passado, segundo os números da Céleres, o que indica que a safra poderia ter sido muito maior se o clima tivesse colaborado, como aconteceu em 2019/20.

Segundo a Céleres, a área plantada com soja no Brasil aumentou 6,4%, para 39,27 milhões de hectares.

A Céleres estima as exportações de soja do Brasil em recorde de 85 milhões de toneladas, versus 83 milhões em 2019/20. Já o processamento deverá crescer para 46 milhões de toneladas, ante 44,5 milhões no ciclo anterior.

(Por Roberto Samora)