Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,05
    -0,10 (-0,16%)
     
  • OURO

    1.736,30
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    62.854,17
    -521,93 (-0,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.366,63
    -9,14 (-0,66%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.939,58
    +49,09 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.680,72
    -220,11 (-0,76%)
     
  • NIKKEI

    29.659,12
    +38,13 (+0,13%)
     
  • NASDAQ

    13.807,25
    +8,50 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7743
    +0,0014 (+0,02%)
     

Biden coloca tecnologia como foco da política EUA-China

Nick Wadhams
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O governo Biden trabalha para colocar semicondutores, inteligência artificial e redes de próxima geração no centro da estratégia dos EUA para a Ásia, na tentativa de reunir o que autoridades chamam de “tecnodemocracias” para fazer frente à China e outras “tecnoautocracias”.

O novo foco de rivalidade dos EUA com a China ganhou maior urgência devido à repentina escassez global de microchips, usados em produtos como carros, telefones celulares e geladeiras. A estratégia buscaria reunir uma aliança de países em busca de vantagem na fabricação de semicondutores e computação quântica, transformando arenas tradicionais de competição, como estoques de mísseis e número de tropas.

Autoridades públicas atuais e anteriores, além de especialistas externos, dizem que os planos do governo dos EUA na esfera da tecnologia são um microcosmo de um projeto mais amplo para adotar uma abordagem mais orientada para alianças, mas ainda hostil à China, após uma estratégia mais caótica sob o ex-presidente Donald Trump.

“Há uma descoberta recente sobre a importância que os semicondutores estão desempenhando nesta batalha geopolítica, porque os chips são a base de todas as tecnologias na era moderna”, disse Lindsay Gorman, pesquisadora de tecnologias emergentes do German Marshall Fund dos EUA. “É um esforço para dobrar a aposta na vantagem tecnológica comparativa dos EUA e seus parceiros democráticos.”

É uma abordagem parcialmente baseada em negar à China o acesso a certas tecnologias pelo maior tempo possível, procurando reprimir gigantes chineses como Huawei Technologies e até mesmo copiar uma página do manual do Partido Comunista ao aumentar o envolvimento do governo em setores-chave quando necessário.

No final desta semana, o Partido Comunista Chinês, com a presença do presidente Xi Jinping, devem expor como pretendem tornar a tecnologia peça central do desenvolvimento futuro no Congresso Nacional do Povo.

Várias pessoas a par do planejamento do governo dos EUA e principalmente de Kurt Campbell, coordenador do Conselho de Segurança Nacional para a Ásia, preveem uma abordagem que coloca maior ênfase em alguns parceiros-chave, como Coreia do Sul, Japão e Taiwan, enquanto oferece incentivos para trazer de volta a fabricação de chips para território americano.

Os chips fazem parte dos planos para impulsionar o Quad - uma aliança dos EUA, Japão, Austrália e Índia que recebeu impulso durante a era Trump - que poderia transferir mais produção de tecnologia para o sul da Ásia.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.