Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.608,76
    -345,14 (-0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.036,38
    +293,23 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,66
    +2,23 (+2,06%)
     
  • OURO

    1.808,30
    +6,80 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    19.876,55
    +573,06 (+2,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    429,24
    +9,10 (+2,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.232,65
    +64,00 (+0,89%)
     
  • HANG SENG

    21.830,35
    -29,44 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.153,81
    +218,19 (+0,84%)
     
  • NASDAQ

    11.554,00
    -57,25 (-0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5543
    -0,0044 (-0,08%)
     

Após aumento de 40%, passagens de avião podem subir ainda mais

·2 min de leitura
Levantamentos da Decolar e Kayak mostram aumentos nos preços das passagens de avião
Levantamentos da Decolar e Kayak mostram aumentos nos preços das passagens de avião

(Getty Images)

  • Passagens aéreas podem ficar mais caras em abril;

  • Guerra na Ucrânia faz com que o preço do petróleo aumente e impacte o querosene de avião;

  • Passagens para Florianópolis aumentaram 51% entre janeiro e março.

Mesmo após alta de 40% em março, o preço das passagens aéreas pode aumentar ainda mais no Brasil. O principal motivo é guerra entre Rússia e Ucrânia, que eleva o preço do petróleo e, consequentemente, impacta o querosene de avião.

Segundo um levantamento da Decolar, no mês passado houve aumento de 16% a 40% nas passagens de avião que partiram de São Paulo, nos aeroportos de Congonhas e Guarulhos, em comparação com fevereiro.

A rota São Paulo – Rio de Janeiro, por exemplo, custava R$ 504,19 em fevereiro e passou para R$ 598,99 em março, representando uma alta de 19%. Para Recife, o aumento foi de 40%: de R$ 559,82, o bilhete subiu para R$ 783,57.

As análises da plataforma Kayak não são mais animadoras. Os clientes que saíram de diferentes lugares rumo a São Paulo ou Rio de Janeiro desembolsaram 49% e 47% a mais, respectivamente, em comparação a janeiro. O preço médio da passagem com destino a São Paulo foi de R$ 1.0121 e, para o Rio, de R$ 1.037.

No entanto, a subida mais acentuada foi para Florianópolis, um dos destinos nacionais mais procurados. O bilhete teve alta de 51% na comparação entre janeiro e março.

Outros locais com alta demanda – como Recife, Salvador, Fortaleza, Maceió, Porto Alegre, Brasília e Natal – também sofreram com aumentos superiores a 30% no mesmo período. As informações são do portal O Globo.

Passagens internacionais

A alta de fevereiro para março não foi tão grande para aqueles que tiveram como destino outros países. A passagem para Lisboa aumentou 13% e para Buenos Aires caiu 4% entre fevereiro e março, de acordo com a Kayak. Ambos os locais são os mais procurados pelos brasileiros no momento.

A Decolar também registrou a mesma queda nos bilhetes para Buenos Aires e aumento de 7% para Milão, outro destino famoso.

Dentre os motivos que explicam a estabilidade maior nas passagens internacionais, está a queda do dólar, que permite a valorização do real, ajuda a mitigar parte da alta dos combustíveis e estimula os cidadãos a viajarem para o exterior.

Além disso, a diretora de voos da Decolar, Daniela Araújo, explica ao O Globo que a demanda pela aviação doméstica está mais aquecida, “diferentemente do cenário da aviação internacional, cuja demanda tem crescido mais nas últimas semanas com a flexibilização de algumas barreiras sanitárias, especialmente na Europa".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos