Mercado fechará em 4 h 46 min
  • BOVESPA

    108.538,04
    +161,69 (+0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.303,05
    +296,94 (+0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,22
    +2,72 (+3,46%)
     
  • OURO

    1.663,30
    +27,10 (+1,66%)
     
  • BTC-USD

    19.406,81
    -814,46 (-4,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,10
    +14,32 (+3,34%)
     
  • S&P500

    3.682,69
    +35,40 (+0,97%)
     
  • DOW JONES

    29.414,97
    +279,98 (+0,96%)
     
  • FTSE

    6.998,16
    +13,57 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    17.250,88
    -609,43 (-3,41%)
     
  • NIKKEI

    26.173,98
    -397,89 (-1,50%)
     
  • NASDAQ

    11.426,00
    +92,25 (+0,81%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1651
    +0,0052 (+0,10%)
     

A dor do empresário é maior do que só vender, diz CEO da Olist

“A dor do empresário é maior do que só vender”. Com esta percepção, o paranaense Tiago Dalvi, CEO e fundador do Olist, conduz a startup referência em soluções que conectam empreendedores a marketplaces e os ajudam no gerenciamento de catálogo, preço, estoque, logística e outras questões inerentes ao dia a dia de quem está presente no e-commerce.

A sensibilidade e empatia pelas dificuldades enfrentadas por varejistas vieram praticamente de berço: Dalvi acompanhou, na infância, a saga dos pais que trocaram a arquitetura por uma loja de brinquedos que acabou não resistindo às sobretaxas do governo sobre produtos importados. O fracasso na família não o desanimou. Dalvi estudou administração, trabalhou na Empresa Júnior durante a universidade e saiu de lá convicto de sua vocação.

Em 2007, Dalvi abriu sua primeira loja de produtos artesanais em um shopping de Curitiba, a Solidarium. De lá para cá, o executivo e seu negócio se reinventaram algumas vezes até, em 2016, chegar ao atual modelo de negócio do Olist.

Crescimento do e-commerce e empoderamento do consumidor

Além da aceleração do crescimento do e-commerce brasileiro no período de isolamento social imposto pela pandemia da Covid-19 - com um aumento de 26,9% no faturamento das vendas online em 2021 em comparação ao ano anterior e de 16,9% no número de pedidos, segundo levantamento da Neotrust - o empoderamento do consumidor, que se habituou com a nova forma e ritmo de fazer compras, trouxe novos desafios aos empreendedores.

CEO da Olist diz que, a partir da pandemia, o consumidor ficou muito mais crítico em relação ao prazo de entrega. Foto: Getty Images.
CEO da Olist diz que, a partir da pandemia, o consumidor ficou muito mais crítico em relação ao prazo de entrega. Foto: Getty Images.

“Antes, no Brasil, o lojista estava acostumado a receber e despachar produtos entre em 5, 10 ou até 15 dias. A partir da pandemia, o consumidor ficou muito mais crítico em relação ao prazo de entrega. E isso permitiu que muitos categorias em que não havia hábito de consumo digital passassem a ser consideradas pelo consumidor”, explica o CEO do Olist.

De acordo com o executivo, apesar do rápido crescimento do setor no período pandêmico, o mercado de e-commerce ainda é um grande oceano azul a ser explorado. Segundo a ABCom vendas online representam 11,6% do setor varejista no Brasil atualmente. “Ainda há muito espaço a ser conquistado”, afirma Dalvi.

Expansão de portfólio e territórios

Como ecossistema que dá suporte a Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPMEs) e marcas digitais na jornada do e-commerce, o Olist também está em franca expansão. Em dezembro de 2021, a startup se tornou uma empresa unicórnio ao receber avaliação acima de US$ 1 bilhão. E, assim que 2022 começou, a empresa deu o pontapé no plano de expansão pela América Latina ao iniciar suas operações no México.

De acordo com Dalvi, existem especificidades regionais no novo país que serão respeitadas e acolhidas pela nova unidade de negócio, mas também há muitas semelhanças. “No México, boa parte das MPMEs também são offline, também são pouco sofisticadas e também têm pouca capacidade de investimento”, afirma Dalvi, que, além de conectar essas empresas a marketplaces, também pretende levar outros produtos do Olist ao mercado digital mexicano. “Nós adoraríamos estar em outros países, mas nós nem olhamos para isso enquanto não formos campeões do mundo no México”, diz o fundador do Olist.

Além da expansão territorial, Dalvi também planeja lançar novas soluções ao já recheado portfólio de produtos do Olist. Segundo o executivo, a tecnologia ainda é um fardo para muitas empresas. Neste sentido, Dalvi revela que ferramentas de embeded finance já estão sendo testadas internamente para lançamento de médio a longo prazo. “Cada vez mais, faz sentido para empresas como o Olist servir esses lojistas com crédito, com wallet e outras soluções de pagamento”, afirma Dalvi.

De empreendedor para empreendedor

Empreendedor Endeavor, formado em administração pela Universidade Federal do Paraná e filho de empreendedores, Tiago Dalvi atua com empreendedorismo desde o início da sua carreira. A experiência no varejo fizeram o executivo conhecer as dores do mercado e os desafios da digitalização das vendas e, por consequência, se debruçar sobre soluções para viabilizar e facilitar a vida de quem quer vender produtos na internet.