Mercado abrirá em 1 h 51 min
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,40
    -0,15 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.791,90
    +32,00 (+1,82%)
     
  • BTC-USD

    17.109,35
    +230,64 (+1,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,39
    +4,69 (+1,17%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.567,78
    -5,27 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    18.736,44
    +139,21 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    28.226,08
    +257,09 (+0,92%)
     
  • NASDAQ

    12.015,75
    -26,50 (-0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4083
    +0,0118 (+0,22%)
     

Azul deve pagar R$ 5.000 a passageiro por cancelamento de voo na pandemia

***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP - 16.02.2022 - Caso não consiga falar com a empresa ou o problema não seja resolvido, é possivel recorrer à

ouvidoria da própria empresa ou do órgão regulador, a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)
***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP - 16.02.2022 - Caso não consiga falar com a empresa ou o problema não seja resolvido, é possivel recorrer à ouvidoria da própria empresa ou do órgão regulador, a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - A Azul Linhas Aéreas Brasileiras deve pagar R$ 5.000 a um passageiro por danos morais devido ao cancelamento de um voo durante a pandemia.

A decisão, noticiada pela Aeroin, é da Primeira Câmara Especializada Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba, que negou provimento a recurso da Azul contra sentença do Juízo da 2ª Vara Mista de Araruna.

No recurso, a Azul afirmou que o voo de Porto Alegre a João Pessoa foi cancelado por remanejamento de malha aérea, dadas as restrições da Covid, e que a malha aérea nacional sofreu várias alterações e cancelamentos e deixou de atender diversas localidades devido à pandemia.

O relator, Desembargador José Ricardo Porto, declarou ser incontroverso que houve falha na prestação do serviço pela companhia aérea: "O valor da indenização por danos morais deve ser mantido, pois fixado conforme as peculiaridades do caso concreto, bem como observados os princípios da proporcionalidade e razoabilidade".

Cabe novo recurso.