Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.925,60
    -1.560,41 (-1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.457,55
    -227,31 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,41
    +0,86 (+1,07%)
     
  • OURO

    1.817,40
    +57,50 (+3,27%)
     
  • BTC-USD

    16.962,36
    -129,16 (-0,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,44
    -4,71 (-1,16%)
     
  • S&P500

    4.076,57
    -3,54 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    34.395,01
    -194,76 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.558,49
    -14,56 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    18.736,44
    +139,21 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    28.226,08
    +257,09 (+0,92%)
     
  • NASDAQ

    12.036,50
    -5,75 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4646
    +0,0681 (+1,26%)
     

Dólar fecha o dia em queda após vitória de Lula; veja preço

No mês, dólar já caiu 7,34%
No mês, dólar já caiu 7,34%
  • Moeda iniciou o dia em alta, mas caiu 2,55% no intradiário;

  • No mês dólar já teve uma queda de 7,34%;

  • Principal preocupação do mercado é a manuntenção do Teto de Gastos.

O dólar fechou em queda nesta segunda-feira (31). A moeda abriu em R$ 5,40 nesta manhã, como uma reação inicial negativa à vitória eleitoral do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A moeda, no entanto, fechou o dia a R$ 5,1654.

Na última sexta, último dia de negociação antes das votações, a moeda americana fechou o dia sendo negociada a R$ 5,3005. Com o aumento na abertura de hoje, que levou a moeda à R$ 5,4095, e a subsequente queda, o dólar caiu 2,55% no intradiário. No acumulado do mês a moeda norte-americana já está em uma baixa de 4,24%, e de 7,34% no ano.

O presidente eleito ainda não confirmou o nome de seus ministros, especialmente do chefe de sua equipe econômica. No entanto, rumores apontam para uma possível nomeação do ex-presidente do Banco Central e ex-ministro da Fazenda durante o governo Temer, Henrique Meirelles, o que tranquiliza os agentes do mercado financeiro.

Uma das maiores preocupações do setor é a revogação do Teto de Gastos, medida fiscal imposta por Meirelles para barrar os gastos excessivos do governo. O economista, no entanto, já apontou para uma possível suspensão temporária do mecanismo

"Criar, primeiro, a excepcionalidade para 2023, aquilo que o mercado chama de waiver (licença temporária das atuais regras fiscais). Criar uma excepcionalidade dizendo o seguinte: 'Em 2023, nós vamos excepcionalmente superar o teto 'em tanto' e cumprir aquilo'", disse Meirelles durante entrevista à rede televisiva CNN.

No entanto, há outros nomes cotados para assumir o cargo, segundo a CNN, como o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, e Gabriel Galípolo, ex-presidente do Banco Fator e professor da UFRJ.