Mercado fechará em 5 h 46 min
  • BOVESPA

    110.188,57
    0,00 (0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.020,65
    +221,19 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,37
    +0,12 (+0,16%)
     
  • OURO

    1.786,70
    +4,30 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    16.833,32
    -184,54 (-1,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    394,71
    -7,10 (-1,77%)
     
  • S&P500

    3.941,26
    -57,58 (-1,44%)
     
  • DOW JONES

    33.596,34
    -350,76 (-1,03%)
     
  • FTSE

    7.512,99
    -8,40 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.686,40
    -199,47 (-0,72%)
     
  • NASDAQ

    11.454,50
    -111,50 (-0,96%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5001
    +0,0214 (+0,39%)
     

Cielo acelera receitas, corta custos e dobra lucro no 3º tri

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) -A Cielo praticamente dobrou seu lucro no terceiro trimestre, com forte ganho de receitas, estendendo a recuperação em relação a rivais menores, com apoio de seus principais sócios num ambiente de juros em elevação.

A empresa de controlada por Bradesco e Banco do Brasil anunciou nesta segunda-feira lucro líquido recorrente 422 milhões de reais no período, um aumento de 99% ante mesma etapa do ano passado e acima da projeção média de analistas consultados pela Refinitiv, de 370 milhões.

A companhia também informou que seu resultado operacional medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) recorrente atingiu 1 bilhão de reais de julho a setembro, 45% a mais do que um ano antes. Essa linha do resultado veio conforme o estimado por analistas.

Segundo a Cielo, o resultado refletiu crescimento do volume capturado, recuperação do yield de receita e controle de gastos. A empresa afirmou que "sua receita foi impulsionada pelas ações de reposicionamento em preços".

O volume financeiro de transações capturado pela Cielo com pagamentos por meio de cartões de crédito e de débito foi de 221,3 bilhões de reais no trimestre, crescimento de 23,1% sobre um ano antes.

Isso, mesmo com a suspensão na política de concessão de subsídios para máquinas de pagamentos (POS) na modalidade de venda, que impactou afiliações no segmento de empreendedores, o que fez sua base de terminais cair cerca de 14% ano a ano.

Com melhores condições de custo de capital do que rivais menores num ambiente de juros mais altos, a Cielo viu sua receita financeira, que inclui operações de antecipação de recebíveis, atingir 1,62 bilhão de reais, alta de 28,2% ano a ano.

Na outra ponta, o custo dos serviços prestados evoluiu 15%, em ritmo inferior ao das receitas, enquanto as despesas operacionais cresceram 7,5%.

O recém-nomeado presidente-executivo Estanislau Bassols, que assumiu o cargo após ter deixado o comando da Mastercard no país, discute os resultados do trimestre com analistas na manhã de terça-feira.

(Edição Alberto Alerigi Jr.)