Posts do blog de Tainah Fernandes

  • Alemanha: índice GfK de confiança do consumidor sobe para 10,2 em junho

    O índice GFK de confiança do consumidor subiu a 10,2 na pesquisa de junho do instituto GfK, de 10,1 em maio. Este é o maior nível desde outubro de 2001.

    Analistas consultados pela Dow Jones Newswires previam que o indicador referente a junho recuaria a 10,0. Fonte: Dow Jones Newswires.

  • Lacker/Fed: ainda não decidi sobre alta dos juros em junho

    O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) de Richmond Jeffrey Lacker, disse hoje que ainda não se decidiu se apoiaria um aumento de juros na reunião de junho da entidade.

    Os comentários do dirigente, que vota nas reuniões de política monetária este ano, chegam em um momento em que a maioria dos analistas descarta uma elevação dos juros na reunião de junho. Hoje, a maior parte do mercado aposta em um início do aperto monetário em setembro.

    Lacker, no entanto, diz que irá se basear nos indicadores econômicos que sairão até a reunião do meio do ano para tomar sua decisão. Ele também acrescentou que os dados ruins do primeiro trimestre

    "Em geral, os dados até agora trazem a ideia de que a desaceleração é temporária", disse o dirigente. "Vamos acompanhar os indicadores nas próximas semanas atrás de uma confirmação disso." Fonte: Dow Jones Newswires.

  • China: yuan é a moeda mais usada para pagamentos na Ásia, diz Swift

    O yuan se tornou a moeda mais utilizada na Ásia para fazer negócios com a China, revela o mais novo relatório da Sociedade para Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundiais (Swift, na sigla em inglês). De acordo com o documento, a divisa chinesa ultrapassou o iene japonês e o dólar de Hong Kong e agora responde por 31% dos pagamentos feitos na região da Ásia e Pacífico. Em abril de 2012, o yuan respondia por apenas 7% das transações.

    "A região está claramente acelerando a adoção do yuan", disse Michael Moon, diretor da Swift para a Ásia e Pacífico. Fonte: Dow Jones Newswires.

  • China aprova US$ 1,3 bilhão em projetos rodoviários

    A Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento (NDRC, na sigla em inglês) aprovou nesta quarta-feira a construção de dois projetos rodoviários no valor de 8,3 bilhões de yuans, ou US$ 1,3 bilhão.

    A iniciativa, parte de um programa que pretende impulsionar a atividade na economia, irá expandir uma ponte nos arredores da capital da província de Xining, e criará outra ponte na capital da província de Wuhan.

    Pequim tem acelerado a aprovação de projetos de infraestrutura nos últimos meses em resposta à desaceleração da economia. No início do mês, foram aprovados 459 bilhões de yuans em projetos de mobilidade urbana. Fonte: Dow Jones Newswires.

  • PR: INSS em Colombo segue feriado municipal

    PR: INSS em Colombo segue feriado municipal

  • PREVIC: Trabalho dos auditores fiscais na Previc é destaque em convenção da Anfip

  • O vice-presidente do Banco do Japão (BoJ), Kikuo Iwata, reiterou hoje o compromisso da instituição com a meta de inflação de 2,0%.

    "Neste momento o BoJ não tem intenção de mudar seu compromisso de atingir a meta de estabilidade de preços o mais rápido possível", disse.

    Segundo o dirigente, o compromisso do banco central em derrotar a deflação era "insuficiente" antes da chegada de Haruhiko Kuroda, em março de 2013. Ele também disse que o massivo estímulo monetário aplicado desde então era uma mudança "nas regras do jogo".

    Os comentários de Iwata acontecem apesar do fracasso da instituição em atingir a meta de 2,0% de inflação em dois anos, o que levou alguns de seus dirigentes e considerar uma flexibilização no objetivo. Fonte: Dow Jones Newswires.

  • Três dos nove dirigentes do Banco do Japão (BoJ) propuseram alterações na meta de inflação durante a reunião do conselho de política monetária de 30 de abril, revelou a ata do encontro.

    Divulgado hoje, o documento demonstra a continuidade de um racha entre os conselheiros sobre a meta de 2,0% de inflação. Atualmente, o BoJ prevê que ela deve ser alcançada na primeira metade de 2016.

    Takahide Kiuchi, Takehiro Sato, e Sayuri Shirai propuseram alterações a essa meta. Kiuchi propôs indicar que a inflação deve se manter por um tempo na casa de 0%, para depois acelerar "bastante moderadamente". Sato, embora concorde com o momento em que a meta deve ser atingida, preferiria mudar a redação para "cerca de 2,0% na média". Já Sayuri propôs que o prazo fosse modificado para "na primeira metade de 2016 ou próximo a esse período".

    Alguns membros sublinharam, no entanto, a importância do compromisso em se atingir a meta de 2,0% de inflação em dois anos. Um deles disse que reiterar o momento em que a

    Saiba mais »de BoJ: ata de abril mostra divergência entre dirigentes sobre meta de inflação
  • Informativo de imprensa sobre o desenvolvimento do Grupo MAHLE em 2014

  • Apex e Agência ProMéxico vão promover atividades conjuntas de investimentos e promoção comercial

Paginação

(203.522 artigos)