Blogs de Finanças

  • O consumidor inadimplente está mais cauteloso na hora de comprar, mas considera a sua atual situação financeira melhor em relação à do ano passado. É o que mostra a Pesquisa do Perfil do Inadimplente, realizada pela Boa Vista Serviços, administradora do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). O otimismo do consumidor, de acordo com a Boa Vista, está “da porta para dentro de casa”, e o que mais o preocupa são as incertezas do cenário macroeconômico brasileiro.

    Leia também: Fundos de ações e renda fixa índices ganham em abril; cambiais perdem

    O estudo apontou o crescimento de 6 pontos percentuais, de 47% para os atuais 53%, no nível de otimismo no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. Isso se deu, de acordo com a Boa Vista, devido ao emprego e à renda dos consumidores. Com o desemprego em patamares baixos e a renda real crescendo, as condições do orçamento familiar estão melhores, o que gera otimismo em relação àquilo que está sob o controle da

    Saiba mais »de Endividado, consumidor está mais otimista, mas adia compras, diz SCPC
  • O brasileiro redescobriu o crédito nos últimos anos, mas pulou a fase de aprender a controlar os gastos e o orçamento. O resultado foi o alto endividamento da população e o crescimento da inadimplência na ressaca do forte crescimento dos empréstimos. Algumas coisas, porém, atrapalham a vida do brasileiro, como explica Thiago Alvarez, sócio do site Guiabolso, e que se dedica a estudar o comportamento financeiro das pessoas.


    Alvarez e a equipe do Guiabolsa definiram cinco pontos que dificultam o planejamento financeiro dos brasileiros.

    Eles estão descontrolados

    O primeiro, é a falta de controle. O executivo observa que o Brasil é um dos poucos países do mundo, ao lado da Turquia, que permite o parcelamento dos pagamentos no cartão de crédito, o que faz o consumidor “esquecer” de parte das dívidas. “A pessoa calcula quanto ganha, às vezes sem descontos, tira o quanto tem de despesas fixas e acha que
    Saiba mais »de Cinco pontos que atrapalham o brasileiro na hora de lidar com dinheiro
  • mercado_yahoo

    A atualização dos dados todo mês, um dos grandes problemas para as pessoas que tentam controlar seu orçamento com planilhas, seja por preguiça, falta de tempo ou de talento para mexer com números, ficou mais fácil de resolver. No site de finanças pessoais Guiabolso.com, é possível criar uma planilha que se atualiza automaticamente, usando os dados do cartão de crédito e dos bancos.

    O serviço é gratuito e elimina o que é uma das maiores dificuldades de quem começa a controlar seus gastos, explica Thiago Alvarez, sócio fundador do site. “Montar a planilha é fácil, o problema é depois, pegar cada recibo, anotar os gastos e colocar na planilha, e a maioria das pessoas para no meio do caminho”, lembra ele. “O que fizemos foi acrescentar inteligência ao processo já conhecido das planilhas.”

    Mais 5 mil usuários


    O apelo do serviço é grande, tanto que, uma semana após o lançamento, no dia 14
    Saiba mais »de Sistema atualiza planilha de gastos automaticamente e facilita o orçamento
  • O Brasil ocupa o 49º lugar em um ranking que avaliou a saúde dos sistemas de previdência social de 50 países do mundo, perdendo apenas para a Tailândia. O estudo, feito pela empresa de seguros alemã Allianz, mostra que o sistema mais sólido é o da Austrália, seguida da Suécia e da Nova Zelândia. O Japão aparece junto com o Brasil entre os com maiores riscos.

    Leia também: Investimentos de fundos de private equity cresceram 20% em 2013

    O índice de sustentabilidade dos sistemas de previdência é calculado desde 2004, mas foi ampliado para avaliar as condições dos países. O trabalho foi feito pela economista sênior da unidade de Pensões Internacionais da Allianz Asset Management, Renate Finke, na Alemanha. O estudo levou em conta não o valor dos benefícios, mas a capacidade do sistema de garantir o pagamento das pensões no futuro, de acordo com seus dados demográficos, ou seja, com o envelhecimento crescente das populações, com consequente crescimento dos aposentados e a queda na

    Saiba mais »de Brasil é penúltimo em ranking de previdência social sustentável com 50 países
  • Se Brasil levar a taça, crédito vai crescer mais, estima Acrefi

    O resultado da Copa do Mundo da FIFA 2014 deve influenciar o consumo no país tanto para o bem como para o mal. De acordo com o presidente da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimentos (Acrefi), Érico Ferreira, o consumo será maior do que o previsto para o ano se o Brasil levar o título. “Por ser um grande evento, por ser um acontecimento único na vida (a última Copa no Brasil aconteceu há 64 anos) e por sermos os maiores no futebol, o cidadão vai ficar feliz e, com ele feliz, o consumo aumenta”, disse.

    Leia também: Venda ou IPO da JBS Foods ajudaria JBS a financiar investimentos, diz Citi

    A previsão da Acrefi para o crescimento do crédito de consumo é de 10% para o final deste ano. Caso o Brasil vença, a alta deve ser de 13%. Se o país não levar a taça, deve cair para 7%.

    Selic tem impacto em novo financiamento

    O aumento da taxa básica de juros, a Selic, pelo Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central (BC), que passou de 10,75% para 11% ao
    Saiba mais »de Se Brasil levar a taça, crédito vai crescer mais, estima Acrefi
  • A forte valorização nos preços dos imóveis causa certo receio nos brasileiros, que temem por uma bolha no setor imobiliário que poderia estourar a qualquer momento, como ocorreu nos Estados Unidos em 2008. Na última terça-feira, o Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP) apresentou uma pesquisa que mostra que o mercado de imóveis novos em São Paulo registrou queda de 49,1% de suas vendas em fevereiro, passando de 1.927, em 2013, para 981 unidades vendidas no segundo mês deste ano, o que já deixou alguns analistas preocupados.

    Leia também:
    Ibope e Vox Populi divulgam pesquisas eleitorais nesta semana

    Ao mesmo tempo, com a queda das vendas de imóveis novos, os anúncios e promoções começam a pipocar em sites, redes sociais, comerciais televisivos, além de jornais e revistas. Todo esse apelo das empresas de construção e de consultoras imobiliárias pode levar os consumidores a ficar tentados a comprar, achando que estão fazendo um grande negócio, olhando os descontos e a forte alta
    Saiba mais »de Vendas caem e “bolha” imobiliária murcha: será hora de comprar imóvel?
  • Artigo escrito por: Fernanda Lattari, analista CFP® do IBCPF

    Sair da casa dos pais, separar, mudar de emprego… A maioria das dificuldades financeiras que surgem nesses momentos de vida está relacionada ao gozo do tempo presente como prioridade. As pessoas não se questionam sobre o estilo de vida possível. Desejam encaminhar o seu futuro bem próximo com muito prazer. Os desafios de uma vida financeira equilibrada de longa duração são ignorados ou negligenciados.

    Leia também: BC sinaliza em ata do Copom fim do ciclo de alta da Selic; juros sobem

    Nós, planejadores financeiros, colecionamos bons e maus momentos da relação dos nossos clientes e amigos com o dinheiro. E o dinheiro permeia as decisões de vida, por mais que exista resistência a essa ideia ou certo pudor cultural brasileiro.

    Como observadores mais críticos, os planejadores financeiros, quando procurados, irão diagnosticar desequilíbrios, apontar as vulnerabilidades presentes e futuras e, por fim, sugerir às pessoas opções para uma
    Saiba mais »de Sair de casa, separar, empreender: a banalização das decisões financeiras
  • Nas últimas semanas, o dólar vem caindo consideravelmente em relação ao real e às moedas de países emergentes. Ontem, o dólar caiu ainda mais e, no fim do dia, no mercado comercial, era vendido a R$ 2,20. No mercado turismo, das viagens e cartões, o dólar era vendido a R$ 2,40.

    Leia também:
    Stuhlberger deixa o Credit Suisse e abre a Verde Asset Management

    Na opinião dos especialistas consultados pelo blog Arena, este será um ano de grande volatilidade, não sendo possível visualizar um patamar definitivo para o câmbio. Eles recomendam cautela ao viajante e que ele compre a moeda aos poucos, a cada semana, aproveitando as quedas, e que planeje a viagem com antecedência, para evitar surpresas. Mas alguns consideram o nível atual bom para comprar.

    Retirada dos estímulos

    O analista-chefe da OctoCorretora, André Moraes, vê uma mudança nas expectativas do mercado. “Muita gente falava do dólar em R$ 2,70, R$ 2,80 no final do ano, mas, pensando adiante, principalmente nos próximos três meses,
    Saiba mais »de Vai viajar? Queda do dólar ajuda, mas melhor é comprar aos poucos, dizem especialistas
  • Dicas para quem quer investir no mercado imobiliário em 2014

    Enquanto o mercado discute se há - ou vai haver - uma bolha imobiliária, os números do setor imobiliário mostram fortes altas. A exemplo do O IGP-M, índice que reajusta o aluguel, que registrou taxa de 1,67% em março , maior nível desde julho de 2008. Portanto, quem pretende investir em um imóvel neste ano pode colher bons frutos se ficar atento à demanda, lançamentos e tendências. Para tanto, o outlet de imóveis RealtON, aponta três dicas importantes para uma aposta mais assertiva.

    De acordo com o CEO da RealtON, Rogério Santos, se informar e se antecipar ao máximo sobre o mercado e buscar o auxílio de empresas especializadas é um bom passo para não investir errado. Santos destaca ainda que comprar imóvel com objetivo de investimento exige um olhar diferente de quem adquire imóvel para família. Veja os pontos destacados pelo CEO.

    1. Tenha em vista o tipo de imóvel que apresenta maior demanda
    Os apartamentos compactos foram os mais procurados em 2013 e continuam em alta nesse ano, assim

    Saiba mais »de Dicas para quem quer investir no mercado imobiliário em 2014
  • Vale-mineracao-yahoo

    A Vale anunciou ontem que pagará no dia 30 de abril a primeira das duas parcelas de US$ 2,1 bilhões (R$ 4,75 bilhões, considerando a cotação de ontem do dólar comercial, R$ 2,26), da remuneração mínima aos acionistas de 2014, resultando em um total de US$ 4,2 bilhões (R$ 9,5 bilhões).

    A proposta equivale a US$ 0,407499945 (R$ 0,92) por ação ordinária ou preferencial em circulação, com base no número de ações em 28 de fevereiro.  De acordo com a corretora Planner, considerando os dados da última sexta-feira, o retorno para o acionista da VALE5 é de 3,3%.

    O conselho de administração da Vale apreciará a proposta da diretoria executiva na reunião agendada para o dia 14 de abril e, se aprovada, o pagamento de US$ 2,1 bilhões será realizado no dia 30. De acordo com o fato relevante divulgado pela mineradora, os valores em reais serão obtidos mediante a conversão dos valores em dólares pela taxa de
    Saiba mais »de Vale vai pagar R$ 4,75 bilhões em dividendos a acionistas no dia 30

Paginação

(50 artigos)
Carregando...