Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.829,73
    -891,85 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.335,51
    -713,54 (-1,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,48
    +0,34 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.872,10
    +0,40 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    23.258,01
    +449,71 (+1,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    536,64
    +10,69 (+2,03%)
     
  • S&P500

    4.164,00
    +52,92 (+1,29%)
     
  • DOW JONES

    34.156,69
    +265,67 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.864,71
    +28,00 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    21.298,70
    +76,54 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    27.582,01
    -103,46 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    12.741,75
    -35,00 (-0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5766
    -0,0005 (-0,01%)
     

Além da Americanas: Lemann e sócios já viveram outros escândalos financeiros

Jorge Paulo Lemann, co-fundador da 3G Capital junto de Marcel Telles e Jorge Paulo Sicupira. (REUTERS/Paulo Whitaker)
Jorge Paulo Lemann, co-fundador da 3G Capital junto de Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira. (REUTERS/Paulo Whitaker)
  • Lemann, junto de Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira é fundador da 3G Capital;

  • Para analistas, não há como trio não saber dos problemas da Americanas;

  • Desde quase falência do Banco Garantia à acordo com CVM americana, trio de investidores tem histórico de problemas contábeis.

Após a descoberta de "inconsistências contábeis" no balanço da Americanas, que resultaram no pedido de recuperação judicial da varejista com uma dívida de R$ 43 bilhões, os brasileiros passaram a ver com olhos mais críticos a história de Jorge Paulo Lemann e seus sócios na 3G Capital, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira.

Os três foram controladores durante quatro décadas da Americanas, abandonando a posição do controle societário em 2021 para se tornarem "acionistas de referência". Analistas afirmam que pelo tamanho dos problemas, não havia como a diretoria da empresa e seus sócios não saberem do rombo. No entanto, Lemann mantém a posição de que ele e seus sócios desconheciam o rombo. “Jamais tivemos conhecimento e nunca admitiríamos quaisquer manobras ou dissimulações contábeis na companhia. Nossa atuação sempre foi pautada, ao longo de décadas, por rigor ético e legal", disse.

O trio, que compõem a lista de homens mais ricos do Brasil, sempre foram tidos como investidores de sucesso e executivos afiados. Entretanto, com as suspeitas de manobras de má-fé na Americanas, o histórico dos empresários passou a ser examinado de forma mais crítica. Lemann, Telles e Sicupira já estiveram envolvidos em diversos escândalos financeiros, confira:

Banco Garantia

Em 1998 o banco Garantia, criado pelo trio nos anos 1970, quase faliu. Marcado pela "gestão ousada" dos seus donos, a instituição financeira teve de ser vendida ao Credit Suisse First Boston para evitar seu fracasso.

Cosan/ALL

A América Latina Logística (ALL) foi uma empresa brasileira concessionária de ferrovias no Brasil e na Argentina, responsável pelo tráfego de 75% do PIB do Mercosul.

Segundo a Cosan, que adquiriu a empresa das mãos do grupo da 3G Capital em 2014, a impressão era de que Lemann e seus sócios haviam parado de manter a malha ferroviária há 10 anos devido ao estado de destruição que ela se encontrava. A Cosan alegou também práticas fraudulentas para inflar os resultados.

Kraft Heinz

O trio se uniu ao megainvestidor Warren Buffett para comprar a marca de ketchup Heinz, aliando a empresa, em 2015, a gigante de alimentos Kraft, criando a Kraft Heinz. No entanto, em 2021 os sócios tiveram que entrar em um acordo com a SEC, a CVM americana, para acabar com uma investigação sobre má-conduta contábil na empresa entre 2015 e 2018, pagando uma multa de US$ 62 milhões.

Stone

Também em 2021, a Stone, startup unicórnio do setor de pagamentos cujo grupo possui 4%, se viu com problemas em concessão de crédito devido a "erros de experiência com recebíveis", segundo o próprio CEO da empresa. No mesmo ano a empresa viu seu valor de mercado derreter 80%.